“Casa Gucci”: uma história de amor, traição, decadência e vingança

Jared Leto, Al Pacino, Lady Gaga, Adam Driver e Jeremy Irons estão no elenco

É bem difícil isso acontecer, mas eu fui assistir ao filme “Casa Gucci”, que acaba de estrear nos cinemas, sem ler muito sobre ele e sobre a história real da qual se trata. Sabia que o longa do diretor Ridley Scott retrataria o império Gucci a partir de muitas brigas e desentendimentos em família. Porém, nem lembrava que, na década de 90, os jornais noticiaram a tragédia no mundo da moda retratada no fim do filme.

Isso foi até bom, né?! Pois eu entrei no cinema e fui surpreendido com um roteiro ágil, em que os anos se passam sem mesmo você perceber, numa produção de mais de duas horas e meia. Na história, Maurizio Gucci (Adam Driver) aceita assumir os negócios por pressão do tio, Aldo (Al Pacino), mas depois se vira contra ele. Paolo (Jared Leto), o filho de Aldo com aspirações a estilista, é rejeitado pelos empresários e pelo próprio pai. E todos temem a proximidade de Patrizia (Lady Gaga), esposa de Maurizio, que busca controle cada vez maior nas decisões da empresa. Quando a mulher é afastada do casamento e dos rumos da Gucci, ela planeja a morte do ex-marido. Resumindo, a história abrange três décadas de amor, traição, decadência, vingança e, em última instância, assassinato.

Lady Gaga, com seus mil looks e seu sotaque carregado e criticado, prova ser cada vez mais atriz. Porém, em algumas cenas, colegas mais experientes mostram que ela ainda tem muito o que aprender. Adam Driver também está bem em cena, mas fica perdido entre a inocência inicial e a guinada inverossímil rumo ao empresário ganancioso. A transformação de Jared Leto é espetaculosa, mas seu personagem dá um tom louco e cômico às vezes desnecessário. Assim, sob uma trilha ora cautelosa, ora invasiva, mas que entoam o mundo clássico da moda, e uma fotografia italiana admirável, o extenso filme desenrola, como eu disse no início, sem você perceber. Os diálogos são leves, e o roteiro não entra muito em detalhes na ascensão e no declínio da marca fashion, sem endeusá-la ou atacá-la. O que importa ali é o retrato da mocinha carismática que se transforma em vigarista, aproveitadora e que vai parar atrás das grades.

Veja o trailer:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s