Laços de uma família nada convencional

assuntodefamilia

Já pensou em sair de casa pra ver um drama japonês? Pois eu fiz isso, fui assistir ao filme “Assunto de Família” no cinema e te digo que valeu a pena, viu!? O longa – que ganhou a Palma de Ouro de Cannes no ano passado, foi um dos indicados do Globo de Ouro neste ano e está na corrida pelas indicações do Oscar 2019 – é simples, realista, tem uma fotografia bem agradável, utilizando a luz natural, e, por mais que os personagens sejam completamente errados, você se apaixona por eles.

Vou explicar: na história, uma família de seis orientais vive em um ambiente parecido com um cortiço. A princípio, o diretor Hirokazu Kore-eda consegue transmitir que eles poderiam ser uma família tradicional pobre japonesa. A avó, o pai, a mãe, a irmã, os filhos… Porém, com o tempo, você vai descobrindo que essa família não é tão inocente assim. Para sobreviver, além do pouco dinheiro que recebem em seus bicos e comedidos trabalhos, alguns deles fazem pequenos furtos em lojas e mercados – e se orgulham da própria esperteza. Seria um mar de vícios e delitos escondido na casa da avó, que aceita ali, numa boa, todos os outros integrantes, que não são parentes de sangue, mas que vivem em completa harmonia e felicidade. No dia a dia, eles se amam, se cuidam, se preocupam uns com os outros, fazem as refeições juntos, dormem amontoados, mas o espectador descobre aos poucos todos os graves segredos morais que cada um deles carrega. Eles chegam até a “sequestrar” uma criança que estava sendo violentada. A família reluta, discute, condena, apazigua, mas acaba concordando em cuidar dela depois de saber das dificuldades que a pequena enfrenta; e o filme, que continua em cartaz na capital apenas no Belas Artes e no Ponteio, se desembola na construção de todos esses personagens amorais.

assuntodefamilia2

E é aí a chave encantadora da produção: por mais que eles sejam extremamente condenáveis, pode-se dizer que você até torce para que eles não sejam presos ou pegos – já que essa seria, inclusive, a lógica da realidade da sociedade e do universo. A resposta para esse encantamento está na ternura que cada um carrega. O que importa é o afeto que demonstram um pelo outro. E isso é hipnotizante – a ponto de esquecermos as deliquências e as transgressões de cada um. Outro fato que provoca a nossa atenção e simpatia é o amor puro e livre ao qual a família se entrega. Somente com laços afetivos entre eles, fica a reflexão do que seria mais importante: os laços de sangue ou os de convívio e coração?

Numa família que teria tudo pra ser condenada, o sentimento de unidade e de amor genuíno é tão forte que somos capazes de transformar, no nosso mais íntimo, o vilão em mocinho. Ou seja, o filme nos pede para olhar esses amorais com carinho, e o que nos resta é identificação. Se a proposta do diretor é nos fazer ter empatia por alguém diferente e fora dos padrões, alguém pode avisar pra ele que ele conseguiu. É um tapa na cara! Pois num mundo cheio de erros e desvios, às vezes o que nos resta é só compaixão.

Assista ao trailer:

assuntodefamilia4

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s