Nossa inacreditável Mente

Divertida-mente

Sou louco com animação. Vejo todas! E, se só com a Disney os filminhos já eram bons, quando surgiu a Pixar eles ficaram ainda melhores. Estão aí “Toy Story”, “Monstros S/A”, “Up: Altas Aventuras”, “Carros”, “Os Incríveis”, “Ratatouille” e “Procurando Nemo”, que não me deixam mentir. Mas tem uma criação dos estúdios norte-americanos – que acaba de chegar à Netflix – que é muito mais que uma animação. “Divertida Mente” impressiona pelo roteiro brilhante e inovador. E uma pergunta não me sai da cabeça: como alguém nunca tinha pensado nessa historinha antes?

Escrito por Pete Docter, Meg LeFauve e Josh Cooley, o filme gira em torno da mente da garotinha Riley, tendo como protagonistas as cinco emoções responsáveis por conduzir sua vida: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo e Nojinho. Os temperamentos de cada uma são desenhados perfeitamente por meio de cores diferentes, atitudes particulares, personalidades exatas. É difícil entender a história com essa explicação, principalmente porque esses personagens são sentimentos abstratos.

Mas a Disney/Pixar consegue tornar concreto e bem divertido algo que não é palpável, deixando-o atrativo tanto para crianças, tamanha a infantilidade da animação, quanto para adultos, tamanha a complexidade e inteligência do tema. Na cabeça da pequena Riley, desde seu nascimento até os atuais 11 anos, as cinco emoções coordenam as chegadas dos fatos vividos por ela, transformando-os em memórias-base, de curto ou longo prazo, e desvendando os mistérios das lembranças, como o porquê de se esquecer de fatos antigos da vida, o sonho e o inconsciente, o que define sua personalidade, entre tantas outras questões psicológicas. Tudo isso de maneira lúdica e, ao mesmo tempo, interessantíssima.

divertida-mente_grupo_todo

Quando a pré-adolescente sai do eixo – momento em que Alegria e Tristeza se metem em apuros –, tudo na cabeça dela começa a desmoronar. E você não se cansa de se questionar: já pensou se fosse realmente assim na nossa mente? É essa brincadeira que faz o roteiro ser tão encantador. O fato de você conseguir “enxergar”, por meio das ideias do megaestúdio, como seria o mecanismo fantástico de sua mente é algo tão formidável que você assiste ao filme com um sorriso no rosto o tempo todo. Já imaginou ver como suas lembranças são guardadas, em quais categorias estão suas memórias, como um sonho seu é desenvolvido ou até mesmo a imagem correta de seu amigo imaginário da infância? “Divertida Mente” te mostra tudo isso.

É claro que, como todo filminho, tem uma bela e azul lição de moral. Não sei se você carrega esse mantra com você, mas, se não, é bom começar a percebê-lo. É que tem um célebre ditado que diz: se a vida te der limões, faça uma limonada. Assim como a cabeça de Riley, a sua também borbulha diariamente, caminha desenfreadamente, busca o óleo perfeito para que a engrenagem funcione perfeitamente. Se um parafuso sair do lugar ou a tristeza insistir em aparecer, supere, trabalhe, se envolva; a alegria está logo ali. Às vezes, é nos momentos difíceis que percebemos que até a tristeza é importante para aprendermos, renovarmos e atingirmos a tão sonhada alegria. É difícil começar tudo do zero, mas a prática de fazer o suco é o nosso melhor aprendizado. O preparo da limonada da vida é a nossa melhor escola. Basta usar o doce açúcar da nossa cachola.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s